Uma história de Rus: uma crónica íntima da guerra que fez sangrar o leste da Ucrânia

Nas livrarias da Espanha, foi lançado o livro «Una historia de Rus: crónica de la guerra en el este de Ucrania», uma crónica íntima sobre a guerra no leste da Ucrânia. Seu autor é um conhecido jornalista espanhol, Argemino Barro.
***
The book “Una historia de Rus: crónica de la guerra en el este de Ucrania” (A History of Rus: Chronicle of the War in Eastern Ukraine) – a Spanish-language publication about war in the eastern Ukraine – went on sale in Spanish bookstores. Its author is a well-known Spanish journalist, Argemino Barro.

Ler o trecho de «Una historia de Rus: crónica de la guerra en el este de Ucrania», que explora as raízes profundas das tensões entre Ucrânia e a Rússia:

1. A Guerra Sagrada

“Mãe Rússia. Ajude seus filhos no Donbass ”, diz um banner pendurado na varanda. A sede do governo em Donetsk, ocupada por separatistas pró-russos, é um grande animal adormecido. Uma criatura de quem emana um perigo insípido e incerto. É possível que esta nova sede resista e conduza uma secessão. Ou um helicóptero ucraniano pousando no telhado e vomitando soldados nas janelas. Ou que a Rússia envie tropas disfarçadas em apoio a seus agentes, como na Crimeia.

A cidade continua sendo um lugar calmo e bem cuidado. O trem chegou na hora certa. A estação estava silenciosa. Ao lado dela, as cúpulas da igreja brilhavam pacificamente atrás dos galhos de algumas árvores, as senhoras sentiam laranjas em uma mercearia e o gerente de um bar não deu nenhum sinal de preocupação.

Nesta paisagem verde e plana, o edifício é uma vigia para outro mundo. Uma dimensão desconhecida e violenta.

Os rebeldes construíram uma barricada ao redor do prédio, feita de pneus, móveis quebrados e arame farpado. A seus pés estão concentrados, como em torno de uma mãe de concreto, algumas centenas de aposentados tensos e pró-russos mascarados.

Uma bicicleta ziguezagueia entre eles, parando na frente de cada grupo como um beija-flor, espreitando. É óbvio que ele não pertence ao movimento.

O ciclista chega e me pergunta, em inglês, se eu trabalho para o BuzzFeed. Eu digo não, que escrevo para um jornal espanhol. Seu nome é Antón Nagolyuk e ele trabalha como gerente e intérprete para a mídia estrangeira: ele é um 'consertador'. Profissão comum entre os jovens que falam inglês, quando alguma mudança atinge seu país e começam a chegar jornalistas do exterior. Nagolyuk diz que é de Donétsk, mas pode ser holandês ou nova-iorquino: fala inglês sem sotaque, usa calças justas, óculos escuros e cera de cabelo. Com os braços estendidos na direção do guidão de sua bicicleta urbana, o ucraniano me oferece alguns contatos como um gesto de hospitalidade.

Durante a conversa, algo começa a se mexer ao fundo, uma espécie de murmúrio alterado, como se o vento movesse sebes espinhosas. É um grupo de senhoras. Uma deles se aproxima, todo o seu rosto cheio de suspeitas.

“Gente ... Quem são vocês?”

Seus olhos são duas facadas em uma barriga enrugada. Outras senhoras se juntam a ela com as mesmas perguntas.

“Otkuda vy?”

Atrás das mulheres algo emerge, uma figura esguia e escura. Um homem mascarado. Sua posição é de combate, a cabeça abaixada de um boxeador, os braços separados das axilas para fingir mais tamanho. Ele carrega um taco de beisebol na mão esquerda e seus olhos azuis brilham sob a máscara de esqui. Ele se aproxima rapidamente e, sem dizer uma palavra, dá um soco na bochecha de Nagolyuk com o punho direito. Ele solta a bicicleta, tropeça, seu celular se quebra ao bater no chão.

“Que porra é essa, cara!”, diz Nagolyuk.

As senhoras torcem pelo agressor, enquanto outros mascarados chegam com paus e pedaços de cachimbo. Nagolyuk se levanta e os repreende. Eu o agarro pelo braço e digo: “Vamos”. Ele me acompanha arrastando a bicicleta, o pescoço torcido, insultando os agressores.

As senhoras gritam: “Pega ele, pega ele!”

Vejo com alívio que nos deixam ir, quando outras figuras emergem do tumulto: são dois motoqueiros corpulentos, cheios de tatuagens, com lenço e barbas grisalhas. Eles vêm trotando em nossa direção. Eles agarram Nagolyuk pelos braços e revistam sua jaqueta. “Você roubou meu celular!”, Diz um deles. O jovem se contorce. “Para para!” Os motoqueiros o soltam e vão embora, deixando seu olhar congelado sobre ele.

Antón Nagolyuk está acostumado com essa nova realidade. Foi a primeira vez que ele foi atacado, mas ele já tinha visto a crueldade nas ruas. Quando o medo mostrou sua garra em Donetsk pela primeira vez, no final de fevereiro [de 2014], ele estava lá. Ele havia se alegrado com a queda de Yanukovych e saído, como seus amigos, para celebrar e reivindicar um país unido próximo à União Europeia.

Una historia de Rus: crónica íntima de la guerra que hizo sangrar al este de Ucrania:

Comments

Popular posts from this blog

Vladimir Putin se prepara para a guerra?

Ucrânia: o país que eles detestam, temem e cobiçam

Militares ucranianos estão se preparando para a (nova) invasão da Rússia