A única maneira de deter Putin é armar a Ucrânia

A primavera de 2021 viu o maior acúmulo militar russo na fronteira com Ucrânia desde que a guerra entre os dois países começou vez em 2014. Embora o anúncio da retirada das tropas russas aliviou as preocupações internacionais, relatórios de inteligência indicam que a grande maioria das forças russas permanece em posição perto da fronteira ucraniana.

***

The spring of 2021 saw the biggest Russian military buildup on the border Ukrainian border since the war between the two countries erupted in 2014. Although the announcement of the withdrawal of Russian troops has eased international concerns, intelligence reports indicate that the vast majority of forces Russians remain in position near Ukrainian border. 

Não está claro se o recente ataque de sabre da Rússia foi um ato de intimidação geopolítica ou um verdadeiro ensaio geral para uma invasão em grande escala da Ucrânia. A escalada certamente conseguiu atrair a atenção internacional, ao mesmo tempo em que ressalta a esmagadora superioridade militar da Rússia em seu confronto com a Ucrânia. Obviamente, Vladimir Putin deseja manter a pressão e a iniciativa em um conflito que lançou há sete anos. 

Nem a Ucrânia nem os parceiros internacionais do país podem se dar ao luxo de sentar e esperar pelos próximos movimentos do Kremlin. Em vez disso, o mundo ocidental deve agora reconhecer a necessidade urgente de fortalecer militarmente Ucrânia. Isso significa fornecer ao país os meios para se defender de maneiras que aumentem significativamente o custo de qualquer escalada potencial da agressão russa. Caso contrário, apenas encorajará o Kremlin a buscar soluções militares, com consequências potencialmente catastróficas para a segurança europeia. 

A Rússia atualmente ameaça Ucrânia pelo norte, leste e sul. A frente sul é particularmente vulnerável, dadas as centenas de quilômetros de costa que Ucrânia deve defender e a forte concentração do poder militar russo na Crimeia ocupada. 

Desde a tomada da Crimeia pela Rússia na primavera de 2014, Moscovo aumentou dramaticamente sua presença militar na península. Mais recentemente, também reforçou sua força naval na região do Mar Negro com a adição de navios transferidos das frotas do Cáspio, Báltico e do Norte da Rússia. 

O Kremlin tem objetivos militares facilmente identificáveis ​​no sul da Ucrânia. É bem sabido que a Crimeia está sofrendo de uma crescente crise de água que levou à rápida deterioração da agricultura na península e ao racionamento diário de água para os residentes da Crimeia. Isso é extremamente embaraçoso para o Kremlin. Moscovo atribui a atual escassez de água à decisão de Kyiv de 2014 de bloquear o Canal da Crimeia do Norte, que anteriormente ligava o rio Dnipro à Crimeia e fornecia à península aproximadamente 85% de suas necessidades de água doce. 

As autoridades ucranianas declararam que não haverá renovação do abastecimento de água até que a península seja libertada. Com várias iniciativas russas para acabar com a crise da água se mostrando ineficazes, a perspectiva de uma operação militar para tomar o Canal da Crimeia do Norte passou a ser vista como uma proposta cada vez mais realista. Muitos observadores especularam que tal ação provavelmente seria acompanhada por uma ofensiva mais ampla para capturar toda a costa sul da Ucrânia e cortar o acesso do país ao Mar Negro. 

Enquanto isso, Moscovo continua controlando as duas repúblicas separatistas no leste da Ucrânia. Esses representantes do Kremlin ostentam poderosas forças militares lideradas e equipadas pela Rússia e são apoiadas por concentrações de tropas adicionais de forças convencionais do outro lado da fronteira. 

The only way to deter Putin is to arm Ukraine:

https://intercourier.com.ua/politics/the-only-way-to-deter-putin-is-to-arm-ukraine

Comments

Popular posts from this blog

Vladimir Putin se prepara para a guerra?

Ucrânia: o país que eles detestam, temem e cobiçam

Militares ucranianos estão se preparando para a (nova) invasão da Rússia