ONU investiga as violações dos direitos humanos na Crimeia ocupada

O ativismo pela justiça climática, incluindo as assembleias e associações pacíficas, é impossível na Crimeia atual. Dessa forma o povo indígena dos Tártaros da Crimeia não tem qualquer possibilidade prática de exercer qualquer influência na política industrial, social e militar da Rússia nesta região da Ucrânia ocupada.

***

Activism for climate justice, including peaceful assemblies and associations, is impossible in actual Crimea. Thus the indigenous people of the Crimean Tatars have no practical possibility of exerting any influence on Russian industrial, social and military policy in the occupied Ukrainian region. 

A Associação de Reintegração da Crimeia apresentou ao Relator Especial da ONU sobre os Direitos à Liberdade de Reunião Pacífica e de Associação, Sr. Clément Nyaletsossi Voule, o relatório sobre as mudanças climáticas na 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU. A apresentação destacou a situação de crise de água em curso e violações dos direitos humanos relacionados às questões de reunião e associação pacíficas na Crimeia. Lida com as questões de políticas humanitárias, financeiras, industriais, ambientais e sociais não eficazes das autoridades de ocupação da Rússia na Crimeia que causaram a crise da água que se agrava a partir de 2020 nesta região da Ucrânia ocupada. 

Foi indicado ao Relator que o ativismo pela justiça climática, incluindo as assembleias e associações pacíficas, é impossível na Crimeia moderna. As autoridades de ocupação da Rússia banem e punem quaisquer atividades civis na península que não sejam controladas por elas. Essas “autoridades” baniram os Mejlis do Povo Tártaro da Crimeia em 2016 e desde 2014 puniram centenas de pessoas que tentaram realizar as reuniões, incluindo as reuniões contra a política da água na Crimeia em 2020. Os residentes da Crimeia tentaram recolher assinaturas contra de -Facto “autoridades” má gestão em 2020 em Simferopol e contra a construção da estação de dessalinização de água em Ialta. Os organizadores da coleta dessas assinaturas foram multados ilegalmente. 

A associação acrescentou que as formas comuns de restrição ao ativismo civil na Crimeia são a proibição total de reuniões e ONGs, as multas ilegais contra seus participantes e organizadores e as opressões a ativistas civis e blogueiros, que destacam as mudanças climáticas e questões da crise da água, incluindo prisões, invasões e processos criminais. Em 2020, a ativista pública de Ialta, Ludvika Papadopulu, recebeu as batidas policiais no seu apartamento, relacionadas com suas publicações ecológicas e de direitos humanos. Em 2021, as autoridades de ocupação da Rússia abriram os processos criminais de “terrorismo internacional” e “extremismo” contra alguns ativistas e blogueiros ucranianos, incluindo membros desta Associação, que refletiram o impacto negativo da política russa sobre a crise da água na Crimeia. 

E também foi lembrado ao Relator que o povo indígena tártaro da Crimeia tem seu órgão representativo, Mejlis, na Crimeia com um sistema de mejlises locais. Todos eles foram proibidos pelas autoridades de ocupação da Rússia em 2016 como “estruturas extremistas” e agora este povo indígena não tem qualquer possibilidade prática de exercer qualquer influência na política industrial, social e militar da Rússia que causou a crise da água na Crimeia na situação das mudanças climáticas. Além disso, a Rússia não executou a ordem direta do CIJ para cancelar a proibição dos Mejlis desde 2017 até hoje. 

UN Researches Human Rights’ Violations Regarding the Water Crisis in the Crimea:

https://arc.construction/14869

Comments

Popular posts from this blog

Vladimir Putin se prepara para a guerra?

Ucrânia: o país que eles detestam, temem e cobiçam

Militares ucranianos estão se preparando para a (nova) invasão da Rússia